Próximos números

Convergência Lusíada Nº 38: 501 anos do Cancioneiro de Garcia de Resende

Organizadora: Marcia Arruda Franco

No dia 28 de setembro de 2016 fez 500 anos que o Cancioneiro Geral de Garcia de Resende foi impresso em Portugal. Ao lado de trovas em luso-castelhano – variante lusitana do código poético palaciano ibérico, cujo centro era a corte e a língua castelhanas –, encontram-se documentados, pela primeira vez em tipos móveis, uma enorme quantidade de poemas em língua portuguesa, compostos ao longo da segunda metade do século XV, até o ano da sua publicação, em 1516. Neste número de Convergência Lusíada, por meio de um dossiê, pretende-se revisitar este impresso quinhentista como documento/monumento tipográfico e poético musical da poesia palaciana ibérica em Portugal, a fim de rever o seu lugar inaugural na história da poesia escrita em português. erão aceitos estudos sobre os diversos gêneros e formas da poesia cancioneiril, cantada, musicada ou vocalizada, em performance, segundo a teatralidade de corte ibérica.

Prazo para envio de artigos: 31 de agosto de 2017

Lembramos que a revista aceita verbetes sobre figuras luso-brasileiras e resenhas sobre obras ensaísticas e literárias portuguesas ou brasileiras ou africanas.

 

 

Convergência Lusíada Nº 37: Estudos culturais em língua portuguesa

Organizadores: Mário César Lugarinho (USP), Silvio Renato Jorge (UFF)

Os estudos culturais, como campo de investigação e premissa disciplinar, aportaram no Brasil ainda nos anos sessenta quando a crítica cultural, movida pelo desenvolvimento dos meios de comunicação de massa, começava a dar seus primeiros passos. As primeiras traduções da obra de Raymond Williams para a Língua Portuguesa, no Brasil, datam dessa década e ressaltam a importância que o debate em torno do tema assumia naquele mesmo momento. O debate havia sido aceso em 1965, quando Luiz Costa Lima organizava o seu Teoria da cultura de massa e Antônio Cândido publicava a obra seminal Literatura e sociedade na qual colocava em questão os procedimentos críticos tradicionais ao recorrer flagrantemente metodologias oriundas da Sociologia para a compreensão do fenômeno literário. Em Portugal, a atenção à produção dos meios de comunicação de massa pode ser notada apenas após o 25 de Abril, porém, os estudos culturais já poderiam ser percebidos, no âmbito da crítica literária, pelas contribuições de Hernâni Cidade, António José Saraiva e Eduardo Lourenço, que, ao partirem da literatura, apontavam decididamente para a compreensão da dinâmica cultural portuguesa, em dimensão bastante ampliada. É notável como, desde as contribuições mais teóricas aos estudos mais pormenorizados, os estudos culturais interferiram diretamente nas práticas investigativas das humanidades, ao promoverem o alargamento do conceito de cultura para além dos limites dos cânones. De igual maneira, podem ser apontadas as contribuições incontornáveis da geração de intelectuais brasileiros que emergem na década de setenta, especialmente Silviano Santiago, Roberto da Matta, Roberto Schwarz e Heloisa Buarque de Holanda, cujos estudos, ao refletirem acerca da dimensão periférica do Brasil, lançaram bases para a renovação dos estudos sobre as culturas de língua portuguesa, propiciando o hoje fundamental diálogo Sul-Sul, como propôs o português Boaventura de Sousa Santos. Hoje, os estudos culturais fazem parte inquestionável dos aparatos filosóficos, teóricos e metodológicos da investigação nas e das Ciências Humanas.

Incentiva-se, com esse volume da Convergência Lusíada, pesquisadores e estudiosos a refletirem acerca das fronteiras disciplinares nos estudos das culturas de língua portuguesa, bem como a se debruçarem sobre objetos não canônicos dessas culturas. Além disso, propomos a reflexão propiciada pelos estudos culturais em seus desdobramentos e interfaces com outros campos de investigação não disciplinares, como os estudos pós-coloniais e os estudos de gênero.

Linhas de força:

Limites entre a História da Cultura e os Estudos Culturais

Interdisciplinariedade, multidisciplinariedade  e descentramentos disciplinares no mundo “lusófono”

A história dos Estudos Culturais em Língua Portuguesa

Os desdobramentos disciplinares dos Estudos Culturais no Brasil e em Portugal: estudos pós-coloniais e estudos de gênero

Prazo para envio de artigos: fevereiro de 2017

Lembramos que a revista aceita verbetes sobre figuras luso-brasileiras e resenhas sobre obras ensaísticas e literárias portuguesas ou brasileiras ou africanas.